Publicada em: 19/02/2021

Alterações trazidas pela Lei 14.026/2020 - Agência Nacional De Águas e Saneamento Básico (ANA)

Iniciando nosso conteúdo semanal sobre a Lei nº 14.026/2020, que atualiza o Marco Legal do Saneamento Básico, a primeira mudança a ser abordada é, talvez, uma das mais importantes dentre todas as demais, qual seja, a da Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), instituída pela Lei nº 9.984, de 17 de julho de 2000.

 

Com a publicação da nova Lei nº 14.026/2020, a ANA, que antes era responsável apenas pela gestão dos recursos hídricos da União e pela implementação da Política Nacional de Recursos Hídricos, passa a ser responsável também pela instituição das normas de referência para a regulação dos serviços de saneamento básico no Brasil.

 

Conforme podemos encontrar no site da ANA[1], as normas de referência deverão abordar os seguintes assuntos:

 

  • Padrões de qualidade e eficiência na prestação, na manutenção e na operação dos sistemas de saneamento básico;
  • Regulação tarifária dos serviços públicos de saneamento básico;
  • Padronização dos instrumentos negociais de prestação de serviços públicos de saneamento básico firmados entre o titular do serviço público e o delegatário;
  • Metas de universalização dos serviços públicos de saneamento básico;
  • Critérios para a contabilidade regulatória;
  • Redução progressiva e controle da perda de água;
  • Metodologia de cálculo de indenizações devidas em razão dos investimentos realizados e ainda não amortizados ou depreciados;
  • Governança das entidades reguladoras;
  • Reuso dos efluentes sanitários tratados, em conformidade com as normas ambientais e de saúde pública;
  • Parâmetros para determinação de caducidade na prestação dos serviços públicos de saneamento básico;
  • Normas e metas de substituição do sistema unitário pelo sistema separador absoluto de tratamento de efluentes;
  • Sistema de avaliação do cumprimento de metas de ampliação e universalização da cobertura dos serviços públicos de saneamento básico;
  • Conteúdo mínimo para a prestação universalizada e para a sustentabilidade econômico-financeira dos serviços públicos de saneamento básico.

 

Além desses assuntos mencionados, a ANA também deverá editar normas de referência relacionadas à limpeza urbana e manejo de resíduos sólidos, bem como à drenagem de águas pluviais, atividades que integram os serviços de saneamento básico, juntamente com o abastecimento de água, coleta e tratamento de esgoto sanitário.

 

Tais normas deverão direcionar e estabelecer diretrizes regulatórias que deverão ser observadas nas mais de 50 agências reguladoras (municipais, intermunicipais, distrital e estaduais) existentes no país, que continuarão a regular as operações das empresas sob suas competências, contudo, o farão observando os parâmetros gerais estipulados pela ANA.

 

Na prática, isso significa que a ANA vai editar normas gerais para o serviço de saneamento básico no Brasil, devendo também oferecer apoio técnico a estados e municípios no planejamento e execução dos serviços prestados à população, sendo que estas regras servirão de parâmetro para as empresas, públicas ou privadas, que terão apoio para formar um corpo técnico qualificado, bem como terão segurança jurídica para firmar compromissos e executar suas atividades.

 

Esta segurança jurídica beneficia a todos, tanto as empresas prestadoras de serviços de saneamento básico, quanto a população, pois, com o fortalecimento e padronização da regulação, eliminando o vácuo e a fragmentação das Leis deste setor, há uma facilitação de entrada de novos investimentos, em especial por parte das empresas privadas, além de garantir o equilíbrio e o cumprimento dos contratos de prestação destes serviços públicos, o que contribui diretamente para sua universalização.

 

Por fim, para possibilitar que a ANA cumpra suas novas competências, foram criados 239 cargos de Especialista em Regulação de Recursos Hídricos e Saneamento Básico, com atribuições definidas no artigo 3º da Lei nº 10.768/2003.

 

Assim, com estas novas atribuições e a reformulação de suas atividades, a ANA vem atuando para capacitar seus colaboradores e tem desenvolvido estudos específicos sobre cada um dos serviços de saneamento básico, mediante audiências públicas e parcerias com empresas especializadas em saneamento, a fim de editar brevemente estas normas de referência, restando a todos aguardar que os primeiros regramentos sejam publicados, o que aguardamos com curiosidade e muitas expectativas.

 

 

[1] https://www.gov.br/ana/pt-br/assuntos/saneamento-basico/novo-marco-legal-do-saneamento

 

Milena Ferreira Santos é advogada do Grupo Confiatta, pós-graduanda em Gestão Ambiental e Sustentabilidade, presidente da comissão de Saneamento Básico da OAB Sorocaba.

https://confiatta.com.br/assets/uploads/IMG_2629.JPG

ÚLTIMAS DO BLOG

Novo Marco Legal do Saneamento Básico e a cobrança de taxas e tarifas pelos serviços de resíduos sólidos
A Lei nº 14.026/2020, do Novo Marco Legal do Saneamento Básico, trouxe mudanças significativas e uma delas é a cobrança de taxas ou tarifas relativ...
Publicada em: 19/02/2021
VER MAIS
Licenciamento Ambiental Simplificado no Novo Marco Legal do Saneamento Básico
Nesta semana, nosso conteúdo semanal abordará algumas questões relacionadas ao licenciamento ambiental no Novo Marco Legal do Saneamento Básico, trazido...
Publicada em: 19/02/2021
VER MAIS
A análise do impacto regulatório no novo Marco Legal do Saneamento Básico (Lei 14.026/2020)
Seguindo as reflexões semanais que fazemos em nossa coluna, a respeito das alterações promovidas pela Lei 14.026/2020 que instituiu o Novo Marco Legal do Sanea...
Publicada em: 19/02/2021
VER MAIS

EM QUE
PODEMOS
AJUDAR?

Escritório

Rua Caracas, 886
Jardim América - Sorocaba/SP
CEP: 18046-718


Telefone:

+55 (15) 3233-8395


E-mail:

contato@confiatta.com.br

Entre em contato conosco, preencha nosso formulário de contato.

Grupo Confiatta® 2020. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: