Publicada em: 08/07/2016

Da participação de empresas em recuperação judicial nas licitações públicas

No ano de 2005, e com o advento da Lei nº 11.101, que regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária, em seu artigo 47 e seguintes, estipula as disposições gerais acerca da recuperação judicial. Trataremos neste artigo da possibilidade de participação de empresas em processo de recuperação judicial, nas licitações públicas.

 

A Lei de Licitações e Contratos Administrativos, nº 8.666/93, consigna as “normas gerais sobre licitações e contratos administrativos pertinentes a obras, serviços, inclusive de publicidade, compras, alienações e locações no âmbito dos Poderes da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios”.

 

A Administração Pública, necessitando da contratação de fornecimentos de bens, prestação de serviços ou obras, deve realizar o respectivo procedimento licitatório para selecionar, dentre os interessados, os futuros contratados, após preenchidos os requisitos necessários.

 

Os requisitos a serem demonstrados pelas licitantes, concernentes à habilitação, estão previstos nos artigos 29 a 31 da Lei Federal n.º 8.666/93. Dentre as disposições nela contidas, o artigo 31 estabelece os requisitos de qualificação econômico-financeira.

 

Art. 31.  A documentação relativa à qualificação econômico-financeira limitar-se-á a:

(…)

II – certidão negativa de falência ou concordata expedida pelo distribuidor da sede da pessoa jurídica, ou de execução patrimonial, expedida no domicílio da pessoa física; [GRIFO NOSSO]

 

Portanto, quaisquer interessadas em contratar com a Administração Pública, devem apresentar, para comprovar sua qualificação econômico-financeira, dentre outros documentos, a certidão negativa de falência e concordata.

 

Cumpre-nos salientar que a exigência contida no inciso II, do artigo 31, da Lei de Licitações e Contratos Administrativos foi erigida à luz do Decreto-Lei n.º 7.661, de 21 de junho de 1945.

 

Passados mais de sessenta anos da Lei de Falências, instituída pelo Decreto-Lei n.º 7.661/45, foi editada a Lei n.º 11.101, de 09 de fevereiro de 2005, que regula a recuperação judicial, extrajudicial e falência do empresário e sociedade empresária.

 

Consta, no artigo 47, que:

 

A recuperação judicial tem por objetivo viabilizar a superação da situação de crise econômico-financeira do devedor, a fim de permitir a manutenção da fonte produtora, do emprego dos trabalhadores e dos interesses dos credores, promovendo, assim, a preservação da empresa, sua função social e o estímulo à atividade econômica.

 

Verifica-se que a recuperação judicial almeja a manutenção da empresa através de um plano de recuperação judicial, contrariamente ao instituto da falência que encerra as atividades do empresário ou sociedade empresária. Portanto, o que se pretende é viabilizar a recuperação da empresa em crise.

 

A recuperação judicial distancia-se do antigo conceito de “concordata”, previsto no Decreto-Lei n.º 7.661/45, instituto este que fora extinto. Enquanto a concordata limitava-se à remissão de dívidas e dilação de prazos para pagamento dos credores, a recuperação judicial prevê um plano de reestruturação com intensa participação dos credores.

 

Marçal Justen Filho (2014, p. 638), assim afirmou sobre os dois institutos:

 

A recuperação judicial (e extrajudicial), mecanismo introduzido em substituição à antiga concordata, desperta a atenção. Deve-se ter em vista que a recuperação judicial não é um novo nome para o mesmo instituto. Suas finalidades e seu regime jurídico são distintos dos da antiga concordata. No entanto, afigura-se o entendimento dos efeitos da concordata sobre a contratação administrativa deverá ser aplicada à recuperação judicial.

 

Ao que nos parece, num primeiro momento, o doutrinador equiparou os dois institutos, de modo que, na licitação, o documento que demonstraria a regularidade em um instituto, aplicar-se-ia, também, ao segundo.

 

Marçal Justen (2014, p. 638) prossegue em suas alegações, afirmando:

 

Em primeiro lugar, mantém-se a presunção de insolvência relativamente ao sujeito que pleiteia a recuperação judicial. Esse é o aspecto fundamental, que conduz à inviabilização da contratação administrativa. Esse é o fundamento pelo qual se reputa que também a recuperação extrajudicial se traduz em impedimento à habilitação para participação em licitação.

 

Diferentemente do que ocorre na falência, onde o credor é recorrentemente o sujeito ativo da ação, na recuperação judicial, quem possui legitimidade para requerer esta providência é o próprio empresário ou a sociedade empresária, o que afasta a alegação de desconhecimento da ação.

 

Há que se ressaltar que, nos procedimentos licitatórios e em cumprimento ao artigo 31 da Lei de Licitações, mais precisamente em seu inciso II, a empresa interessada deverá juntar aos seus documentos de habilitação, para comprovação da regularidade, a certidão negativa de falência ou concordata.

 

Conforme já abordado e, uma vez que inexiste atualmente o instituto da concordata, as certidões passaram a ser solicitadas para demonstrar que a empresa não é parte em ação de falência ou recuperação judicial.

 

Antes de adentrarmos ao tema desse artigo, necessário se faz destacar que, nas licitações públicas, é vedado à Administração requerer certidões negativas de débitos, passando a solicitar certidões que demonstrem a regularidade da empresa. Isso porque, além da certidão negativa, as interessadas podem, ainda, apresentar certidões positivas com efeito negativos, o que possui o mesmo efeito prático.

 

O Tribunal de Contas da União pacificou tal entendimento, através da súmula 283 que colacionamos:

 

Para fim de habilitação, a Administração Pública não deve exigir dos licitantes a apresentação de certidão de quitação de obrigações fiscais, e sim prova de sua regularidade.

 

Desse modo, o que se permite nas licitações é que os documentos se restrinjam a comprovar a regularidade da empresa, não à quitação de suas obrigações.

 

Vencidas tais considerações, acerca dos documentos pertinentes à comprovação de regularidade fiscal, temos que o Tribunal de Contas do Estado de São Paulo modificou seu entendimento acerca da participação de empresas em recuperação judicial.

 

O TCESP, desde a edição da Lei nº 11.101/05, sempre sinalizou no sentido de que a recuperação judicial teria sucedido o instituto da concordata, posicionamento externado no julgamento dos processos TC-925.989.14-7 e TC-3811.989.13-6, entre outros.

 

Atualmente, esse entendimento se modificou, alterando o posicionamento até então consolidado. A modificação do posicionamento acerca da matéria, em muito, se deu ao julgamento pela 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, na Medida Cautelar n.º 23.499/RS, que afastou a exigibilidade de apresentação de certidão negativa de recuperação judicial em licitação, permitindo a participação no certame de empresa em recuperação.

 

Entende agora o órgão fiscalizador (TCESP) que, se a empresa possui um plano para recuperação e o submete ao crivo de seus credores, demonstra que possui capacidade em contratar com a Administração Pública e reerguer seus negócios, através de um plano homologado e em vigor. É o que aduz a decisão proferida nos TCs 3987.989.15-9 e 4033.989.15-3, que mencionamos:

 

[…] Deste modo, a empresa que obteve a concessão da Recuperação Judicial não está, de antemão, inapta para ser contratada, podendo assumir riscos e compromissos nos limites previstos no seu Plano de Recuperação que, diferentemente da concordata, possui maior flexibilidade na sua negociação junto aos credores.

 

Todavia, a mera existência de plano de recuperação judicial, por si só, não garante a capacidade da empresa em executar as obrigações contratuais, até porque o descumprimento de qualquer obrigação estabelecida no plano acarretará a convolação da recuperação em falência (art. 61, §1º). […]

 

[…] Importante frisar que a apresentação da certidão de concessão de recuperação judicial não suprime a obrigação de a empresa comprovar todos os quesitos requeridos no certame, inclusive econômico-financeiros, pois necessário conferir igual tratamento a todas as licitantes, perante o princípio da isonomia. [GRIFO NOSSO]

 

Podemos observar que o simples fato da empresa estar em recuperação judicial, por si só, não pode obstá-la de participar do certame. Contudo, deverá cumprir com todas as demais exigências editalícias, conforme segue:

 

[…] Nestes termos, o que pude observar é que a não apresentação da certidão negativa de recuperação judicial não pode resultar na inabilitação imediata da licitante, mas deve ser sucedida de avaliação dos demais requisitos de habilitação econômico-financeira que, no caso de empresas naquela situação, deve abarcar a verificação de que o Plano de Recuperação encontra-se vigente e atende as exigências “indispensáveis à garantia do cumprimento das obrigações” (art. 37, XXI, CF). […]

 

[…] Feitas essas ponderações, considero, de plano, ilegal a previsão de vedação de participação no certame de empresas que estejam em situação de recuperação judicial, podendo, todavia, ser requisitada a certidão negativa durante a fase de habilitação. […]

 

Após a decisão transcrita acima, o TCESP consolidou o entendimento de que empresas em recuperação judicial poderiam participar das licitações, sendo condenada cláusula editalícia com qualquer tipo de restrição, conforme depreende-se das decisões nos processos de representação contra editais de licitação: TC-5725.898.15, TC-5607.989.15, TC-7205.989.15, TC-7205.989.15, TC-7607.989.15, TC-7077.989.15, TC-7878.989.15, TC-9796.989.15, TC-362.989.16, TC-430.989.16, TC-676.989.16, TC-735.989.16, dentre outras.

 

Portanto, assegura-se, ao menos nos municípios sujeitos à fiscalização do TCESP, que, no caso da empresa em recuperação judicial, esta poderá participar dos certames, desde que preenchidos os requisitos constantes na decisão TC-3987.989.15-9 e 4033.989.15-3.

 

Deste modo, faz-se imperiosa a adequação dos instrumentos convocatórios lançados pelos órgãos jurisdicionados do Tribunal de Contas do Estado de São Paulo, evitando, com isso, a paralização e, consequente, retificação dos editais de licitações, não comprometendo o planejamento das ações governamentais.

 

Referências:

BRASIL. Lei n.º 8.666, de 21 de junho de 1993. Regulamenta o art. 37, inciso XXI, da Constituição Federal, institui normas para licitações e contratos da Administração Pública e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L8666cons.htm>. Acesso em 04 jul. 2016.

BRASIL. Lei n.º 11.101, de 09 de fevereiro de 2005. Regula a recuperação judicial, a extrajudicial e a falência do empresário e da sociedade empresária. Disponível em <https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2005/Lei/L11101.htm>. Acesso em 04 jul. 2016.

BRASIL. Tribunal de Contas da União. Súmula n.º 283. Disponível em: <https://contas.tcu.gov.br/juris/Web/Juris/ConsultarTextual2/Sumulas.faces?textoPesquisa=*%3A*&>. Acesso em 04 jul. 2016.

FILHO, M. J. A questão da recuperação judicial e extrajudicial prevista na Lei 11.101/2005. In: ________. Comentários à Lei de Licitações e Contratos Administrativos. 16. ed. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2014, p. 638.

GONÇALVES, M. G. V. P. R.; GONÇALVES, V. E. R. Direito Falimentar. 3ª Ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

SÃO PAULO (Estado). Tribunal de Contas do Estado de São Paulo. Responsável: Mara Ferrari, Secretária Municipal de Promoção e Desenvolvimento Social. TC 7077.989.15-0 e 7079.989.15-8. Disponível em <http://www4.tce.sp.gov.br/sites/tcesp/files/downloads/14_-_epe-m-08-sm-006-00007077-989-15-0_-_paulinia.pdf>. Acesso em 04 jul. 2016.

 

Autores:

Bruna Caroline Santos

Advogada (OAB 334.473). Graduada em Direito, pela Faculdade de Direito de Itu. Pós-graduanda em Direito Municipal pela Escola Paulista de Direito. Especialista em Licitações e Contratos Administrativos. Já atuou como estagiária da Defensoria Pública do Estado de São Paulo e da Secretaria de Finanças do Município de Votorantim. Atualmente é Advogada e Consultora Jurídica do Grupo Confiatta.

 

Marcos Faustino

Advogado (OAB 372.220). Graduado em Direito pela Faculdade de Direito de Itu. Atuou como Pregoeiro, Leiloeiro Administrativo e Membro de Comissão de Licitações do município de Porto Feliz/SP. Expositor em cursos e treinamentos na área de licitações e contratos administrativos. Especialista em Licitações e Contratos. Atualmente é Advogado e Consultor Jurídico do Grupo Confiatta.

 

Thais Helena Veneri

Advogada (OAB/SP 239.348). Graduada em Direito pela Faculdade de Direito de São Bernardo do Campo. MBA em Gestão Pública e Políticas Administrativas pela Escola Paulista de Direito. Pós Graduada em Direito Processual Civil pela Pontifícia Universidade Católia – PUC SP. Especialista em Licitações e Contratos Administrativos. Chefe da Divisão de Licitações e Diretora de Administração da Prefeitura Municipal de Mairinque. Na Prefeitura atuou ainda como Pregoeira, Leiloeira Administrativa e membro da Comissão de Licitações. Professora do Curso de Direito da faculdade UNIESP – Campus São Roque. Expositora em cursos e treinamento na área de licitações e contratos administrativos. Atualmente é Coordenadora da Área de Licitações e Contratos do Grupo Confiatta.

 

 

ÚLTIMAS DO BLOG

Novo Marco Legal do Saneamento Básico e a cobrança de taxas e tarifas pelos serviços de resíduos sólidos
A Lei nº 14.026/2020, do Novo Marco Legal do Saneamento Básico, trouxe mudanças significativas e uma delas é a cobrança de taxas ou tarifas relativ...
Publicada em: 08/07/2016
VER MAIS
Licenciamento Ambiental Simplificado no Novo Marco Legal do Saneamento Básico
Nesta semana, nosso conteúdo semanal abordará algumas questões relacionadas ao licenciamento ambiental no Novo Marco Legal do Saneamento Básico, trazido...
Publicada em: 08/07/2016
VER MAIS
A análise do impacto regulatório no novo Marco Legal do Saneamento Básico (Lei 14.026/2020)
Seguindo as reflexões semanais que fazemos em nossa coluna, a respeito das alterações promovidas pela Lei 14.026/2020 que instituiu o Novo Marco Legal do Sanea...
Publicada em: 08/07/2016
VER MAIS

EM QUE
PODEMOS
AJUDAR?

Escritório

Rua Caracas, 886
Jardim América - Sorocaba/SP
CEP: 18046-718


Telefone:

+55 (15) 3233-8395


E-mail:

contato@confiatta.com.br

Entre em contato conosco, preencha nosso formulário de contato.

Grupo Confiatta® 2020. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: