Publicada em: 13/02/2017

Gestores implementam lei que otimiza repasses para a saúde

A saúde do Brasil contará com novas medidas para fortalecer a execução das ações nos estados e municípios. Pelo Projeto SUS Legal, os gestores de saúde vão implementar lei de transferência de recursos e aumentar a fiscalização da execução das ações de saúde.

 

Os repasses, antes realizados em seis blocos temáticos, passam a ser feitos em duas modalidades: custeio e investimento. Com o modelo anterior, muitos recursos acabavam paralisados (em 2016, foram mais de R$ 5,7 bilhões).

 

“Passaremos agora a olhar para os planos de saúde, dar autonomia aos prefeitos para agir e aos conselhos municipais de saúde para fiscalizar. Tudo vai ser mais fácil, mais simples”, garante o ministro da Saúde, Ricardo Barros.

 

A transferência será em conta financeira única para cada categoria econômica. O novo formato vai possibilitar ao gestor mais agilidade e eficiência na aplicação dos recursos hoje disponíveis, com base na necessidade e realidade local.

 

O intuito é assegurar o cumprimento da legislação que rege o Sistema Único de Saúde (SUS) e a realização dos planos de saúde dos estados e municípios, uma vez que a destinação das verbas estará vinculada a esse planejamento.

 

O presidente do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), João Gabbardo, enfatizou que, com a nova forma de financiamento das obras, o ministério cumpre a constituição e, além de possibilitar maior concorrência do mercado, otimiza orçamentos.

 

“Essa medida garante o menor gasto, facilita finalização de obras e possibilita o planejamento de gastos de novas construções. Vamos acabar com as obras inacabadas, vamos ter o começo, meio e fim”, comemora Gabbardo.

 

O projeto deverá ser qualificado e conter indicadores e metas em conformidade com as políticas públicas governamentais de saúde estabelecidas pela Comissão Intergestores Tripartite (CIT) e Conselho Nacional de Saúde.

 

Cabe ao Ministério da Saúde acompanhar e avaliar o plano. Esse monitoramento será feito por meio de sistema on-line. O não cumprimento do plano implicará na redução dos recursos repassados. A transição será discutida por Grupo de Trabalho, que terá 60 dias para apresentar uma proposta à CIT.

 

Fonte: Portal Brasil.gov.br

ÚLTIMAS DO BLOG

Agenda de edição das normas de referência para o saneamento até 2023 é atualizada pela ANA
A Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA) publicou uma atualização do calendário do Eixo Temático 5 – Normas de Re...
Publicada em: 13/02/2017
VER MAIS
Município de Ribeira tem pedido de reexame das contas aprovado pelo TCESP
Por meio do trabalho do setor de Direito Público do Grupo Confiatta, o município de Ribeira teve o seu pedido de Reexame das Contas referente ao exercício 2018...
Publicada em: 13/02/2017
VER MAIS
Assistência Jurídica à população de baixa renda poderá ser instituída nos Municípios por decisão do STF
Na última quarta-feira, dia 3, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que os Municípios podem instituir serviço de prestação de assistênc...
Publicada em: 13/02/2017
VER MAIS

EM QUE
PODEMOS
AJUDAR?

Escritório

Rua Caracas, 886
Jardim América - Sorocaba/SP
CEP: 18046-718


Telefone:

Telefone Fixo: +55 (15) 3233-8395  

Whatsapp:  +55 (15) 996123223


E-mail:

contato@confiatta.com.br

Entre em contato conosco, preencha nosso formulário de contato.

Grupo Confiatta® 2020. Todos os direitos reservados.
Desenvolvido por: